utilizadores online
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

As cinco lições bíblicas de “O Hobbit: A Desolação de Smaug”

Assim como C.S Lewis e suas Crônicas de Nárnia, J.R.R. Tolkien lança em seus livros infanto-juvenis elementos que refletem a fé cristã do seu autor. Não são menções claras, mas ao longo da trama podem ser percebidas em palavras e atitudes, afinal as histórias não se passam neste mundo. O novo capítulo da trilogia do Hobbit é um dos grandes lançamentos de cinema do ano. O site Christian Post selecionou cinco lições claras do Antigo e do Novo Testamento presentes no longa.


1. A corrupção da ganância


Um dos temas nos livros de JRR Tolkien que refletem partes do ensinamento de Cristo é que a ganância e o amor ao dinheiro pode corromper a alma do ser humano. Um dos personagens principais da narrativa, o anão Thorin Escudo de Carvalho, investe tudo que tem para recuperar a riqueza que está na montanha e com isso também ganhar poder. Por isso, arrisca até a vida para tirá-lo do dragão (símbolo bíblico do mal). Se levarmos em conta outras lições similares presentes na trilogia o Senhor dos Anéis, o novo Hobbit também ensina que “o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males”.


2. A importância da profecia


A profecia desempenha um papel importante em “A Desolação de Smaug”. Para encontrar o seu caminho de volta à Montanha Solitária, os anões precisam ficar diante de uma porta no último dia do outono para ver a luz brilhar no buraco da fechadura. Essa é a única entrada, disponível uma vez por ano, e somente quando um pássaro tordo se faz presente.

Outra profecia, essa mais escura e terrível, alerta para o fogo que desce sobre os homens antes do final do combate. Se os anões não levassem em conta o que foi profetizado, jamais venceriam.

Assim como a Escritura, que está repleta de profecias, a “Desolação de Smaug” mostra que é sábio ouvir o que os antecessores deixaram como alerta.


3. A realidade dos demônios


O mago Gandalf trava uma luta contra o Necromancer, que como o nome indica, se relaciona com os mortos. A certa altura ele declara: “Sem dúvida, é uma armadilha.”

No mundo criado por Tolkien, a magia (poder sobrenatural) é parte do dia a dia. Tanto a do bem (branca) quanto a do mal (negra). Os orcs, a certa altura, escutam Gandalf perguntar: “Onde está o seu mestre?”. O líder dos orcs declara: “Ele está em toda parte, nós somos uma legião”. O diálogo remete à passagem de Lucas 8:30.

O Necromancer e os orcs são uma clara analogia sobre o poder e a atuação do Diabo e dos demônios, combatendo os que lutam em nome da luz.


4. O mal de invocar os mortos


Como mencionado acima, o Necromancer traz os mortos de volta à vida. No filme, Gandalf e seu colega Radagast viajam até uma torre com túmulos antigos, onde descobrem 9 túmulos vazios.

A ideia de o mal invocar os mortos remete à decisão do rei Saul em chamar uma bruxa para despertar o espírito do profeta Samuel (vide 1 Samuel 28). Outro título bíblico para quem falta com os mortos é “necromante”, que em inglês se escreve necromancer.


5. A força dos pequeninhos


No primeiro Hobbit, Bilbo impediu que seus amigos anões fossem comidos. Nesse, enfrenta as aranhas sozinho e os salva novamente. Parece ser um tema comum em toda a obra de Tolkien mostrar a importância das pessoas pequenas.

Nas duas trilogias, o protagonista é um ser de baixa estatura chamado hobbit. Neste filme, ele também enfrenta o dragão Smaug. O anão Balin observa, “Nunca deixa de me surpreender a coragem desses hobbits”.

De modo similar, Deus escolheu se tornar pequeno e limitado como um ser humano para salvar o mundo inteiro com um ato de grande coragem.

Assista o trailer de O Hobbit: A Desolação de Smaug







Ajude a divulgar. Compartilhe!

2 Comentários:

5n3v35 disse... [Responder comentário]

Éh, a vida é assim, traz lições bíblicas até mesmo em um filme.
Abençoado,
desejo que em 2014 DEUS continue a derramar de suas bençãos e que se faça presente em todos os momentos.

Anônimo disse... [Responder comentário]

paz amado, os produtores e as produtoras hollywoodiana, querem negar a existência de Deus, mais em grande maioria seus milhões ganho em filmes, escondem um Q de inspiração bíblica! isso é fato, posso fazer um listas dos mais famosos mais vou citar apenas três, Matrix, Thor, Senhor dos anéis, só não tem coragem de admitir, mais fica claro para que tem um pequeno conhecimento bíblico essa inspiração.

Jesus cristo abençoes a todos

Postar um comentário

Deixe registrado sua opinião. Mas evite palavrões e ofensas, assim seu comentário não correrá o risco de ser moderado.

Tecnologia do Blogger.

Receba as postagens por e-mail

O mundo tem sede de Deus

free counters

Seguidores

Google+ Followers

  ©Rocha ferida - Todos os direitos reservados.

"Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha." Mateus 7:24
type='text/javascript'>