O sacerdote entrava no Santo dos Santos amarrado a uma corda?

É muito comum ouvir em pregações, livros evangélicos, sites da Internet é até mesmo em comentários bíblicos que os sumo sacerdotes tinham uma corda atada a cintura por ocasião de sua entrada no Santo dos Santos. O objetivo desse costume seria o de permitir o resgate do corpo do sumo sacerdote caso fosse consumido pela ira divina, mas seria isso verdade?

A lenda da corda sacerdotal

Todd Bolen, professor de Estudos Bíblicos no Israel Bible Extension do The Master’s College, Santa Clarita, Califórnia, USA, afirma que é isso um mito. Ele destaca que esse costume “não é encontrado em nenhuma fonte antiga, incluindo a Bíblia hebraica, o Novo Testamento, os Manuscritos do Mar Morto, Flávio Josefo [historiador judeu do primeiro século], os apócrifos, a Mishnah, o Talmude babilônico ou o Talmude de Jerusalém”.
Como é de costume, quando se fala do sacerdócio Levítico, vem à tona a questão do sacerdote ser amarrado à cintura ou ao tornozelo, em especifico no dia da expiação, para que, caso morresse no lugar santíssimo ao se apresentar diante do Senhor que falava de sobre o propiciatório de ouro, fosse então puxado para fora.

Por enquanto, ainda não foi localizada a fonte original, mas aparentemente ele surgiu muito tempo depois da existência do último templo judeu. A evidência bíblica e histórica indica que não havia nenhuma corda, pelo menos não para uso comum. 
O renomado Dr. WE Nunally , professor de hebraico e judaísmo antigo, também diz o seguinte: 
“A corda amarrando o sumo sacerdote é apenas uma lenda. Ela tem origens obscuras na Idade Média e continua sendo ensinada. Não é encontrado em qualquer lugar na Bíblia, nos Apócrifos , Manuscritos do Mar Morto, Josefo, Talmud, Mishna, ou qualquer outra fonte judaica. Ela simplesmente não existe!”. 

A Fundação de Estudos Bíblicos (associado ao Dallas Theological Seminary), da mesma maneira, reporta que suas pesquisas classificaram a “corda ao redor do tornozelo, ou cintura, ou talvez o pé” como lenda “para descansar.” Eles também apontam que Aaron estava a usar uma estola azul, com sinos em sua bainha (Êxodo 28:31-35), quando ele entrou no Lugar Santo (não é o Santo dos Santos) (Levítico 16:2-4). Quando ele entra no Santo dos Santos, ele lava e veste roupas de linho especial, não o éfode com sinos. “Se não houver a sinos para serem tocados, não há necessidade da corda.”
A Associação de Amigos Judeus Messiânicos levanta pontos com relação à dificuldade de arrastar um sacerdote morto fora do Santo dos Santos:
“Você só pode arrastar para fora o sacerdote, se ele morreu no lugar Santo. Pela forma como as cortinas do templo foram concebidas, o sacerdote não poderia ter sido arrastado para fora do Santo dos Santos. O véu foi feito com muitas camadas de tecido. As cortinas eram sobrepostas e faziam um pequeno labirinto através do qual o sacerdote caminhava … “

Portanto caros e queridos irmãos e estudantes da Bíblia fica aqui esta modesta observação, para que assim venhamos a condizer com a responsabilidade que temos em ser mordomos dos valores divinos, servindo ao nosso semelhante somente as riquezas da verdadeira revelação bíblica. 


Ajude a divulgar. Compartilhe!

5 comments

  1. Tenho uma pergunta.
    Algum sacerdote já morreu ao entrar no santo dos Santos. ? Tem algum registro ..?
    Isso se fazia todos os anos. .. ate quando. ?

    1. Boa pergunta cassiano alves,se o sumo sacerdote morria la dentro então como se retirava o corpo se ninguem poderia entrar no lugar santissimo apenas o sumo sacerdote,será que o corpo fica la e o proximo sumo sarcedote quando entrava,tinha que apresentar os sacrificio com outro corpo em decomposição do seu lado?
      Pelo que entendo houve varios sumo sacerdotes.

  2. Bom dia na paz de Cristo, Parabéns por essa explicação, na semana passada tive esse ensinamento através de meu professor de teologia Daniel Ester ( prof. de Hebraico USP.), ele nos confirmou este mito, e esta afirmação também vem do judaísmo cabalístico. Um bom dia á todos !!!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *