utilizadores online
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Talvez você se lembre

Um belo texto principalmente para quem nasceu antes de 1980








SAUDADE…

     Sou do tempo em que ainda se faziam visitas. Lembro-me de minha mãe mandando a gente caprichar no banho porque a família toda iria visitar algum conhecido. Íamos todos juntos, família grande, todo mundo a pé. Geralmente, à noite. Ninguém avisava nada, o costume era chegar de paraquedas mesmo.

     E os donos da casa recebiam alegres a visita. Aos poucos, os moradores iam se apresentando, um por um. – Olha o compadre aqui, garoto! Cumprimenta a comadre. E o garoto apertava a mão do meu pai, da minha mãe, a minha mão e a mão dos meus irmãos. Aí chegava outro menino. Repetia-se toda a diplomacia.

– Mas vamos nos assentar, gente. Que surpresa agradável! A conversa rolava solta na sala. Meu pai conversando com o compadre e minha mãe de papo com a comadre… Eu e meus irmãos ficávamos assentados todos num mesmo sofá, entreolhando-nos e olhando a casa do tal compadre.

Retratos na parede, flores na mesinha de centro… casa singela e acolhedora. A nossa também era assim. Também eram assim as visitas, singelas e acolhedoras. Tão acolhedoras que era também costume servir um bom café aos visitantes. Como um anjo benfazejo, surgia alguém lá da cozinha – geralmente uma das filhas – e dizia: – Gente, vem aqui pra dentro que o café está na mesa. Tratava-se de uma metonímia gastronômica. O café era apenas uma parte: pães, bolo, broas, queijo fresco, manteiga, biscoitos, leite… tudo sobre a mesa.






Juntava todo mundo e as piadas pipocavam. As gargalhadas também. Pra que televisão? Pra que rua? Pra que droga? A vida estava ali, no riso, no café, na conversa, no abraço, na esperança… Era a vida respingando eternidade nos momentos que acabam…. era a vida transbordando simplicidade, alegria e amizade…

Quando saíamos, os donos da casa ficavam à porta até que virássemos a esquina. Ainda nos acenávamos. E voltávamos para casa, caminhada muitas vezes longa, sem carro, mas com o coração aquecido pela ternura e pela acolhida. Era assim também lá em casa. Recebíamos as visitas com o coração em festa.. A mesma alegria se repetia. Quando iam embora, t ambém ficávamos, a família toda, à porta. Olhávamos, olhávamos… até que sumissem no horizonte da noite.

O tempo passou e me formei em solidão. Tive bons professores: televisão, vídeo, DVD, e-mail… Cada um na sua e ninguém na de ninguém. Não se recebe mais em casa. Agora a gente combina encontros com os amigos fora de casa: – Vamos marcar uma saída!… – ninguém quer entrar mais. Assim, as casas vão se transformando em túmulos sem epitáfios, que escondem mortos anônimos e possibilidades enterradas. Cemitério urbano, onde perambulam zumbis e fantasmas mais assustados que assustadores. Casas trancadas.. Pra que abrir? O ladrão pode entrar e roubar a lembrança do café, dos pães, do bolo, das broas, do queijo fresco, da manteiga, dos biscoitos do leite…. Que saudade do compadre e da comadre!


José Antônio Oliveira de Resende (Prof. da Un. Fed. de São João del-Rei)

1 Comentário:

Ivonil servo de Yahshuah disse... [Responder comentário]

AH!!! aquele tempo querido que não volta nunca mais....como escreveu Zacarias mourão em seu belo poema...pé de cedro. Meu avô tinha um vizinho de fazenda la em minas gerais. E que estorias meu avô contava dele...a mais fantastica delas eu nunca esqueci apesar de ja se passar quase meio seculo...era o seguinte! seu jeromim vizinho do vovô tinha 20 filhos, 10 homens e 10 mulheres! Quando chegava alguem na sua casa as 20 crianças, sim ja´ que a maioria delas eram gemeas, chegou a vir 4 de um som vez...então faziam uma fila indiana para tomar benção dos mais velhos e como vai para os jovens. Quando terminava a fila todos admirados perguntavam; seu jeromim quantos filhos o sr tem mesmo? ele dizia numa fala bem mansa...são dez...se quem perguntava não tivesse nenhum a reação passava, mas quando triplicavam...quantos mesmos? seu jeromim completava na mais calma possivel...casais!!!!
É! a educação era outra! os jovens tinha uma formação de gente civilizada, hoje os jovens são rebeldes e não respeitam ninguem e nada. A unica coisa que os jovens de hoje presta continencia são as drogas!!!!!!!!! è muita burrice num cerebro tão pequeno...que o Eterno yahweh compadeça dessa juventude desmiolada e desnorteada, pelo virus mais terrivel que já surgiu no planeta terra...a babaquice...shalom em yahshuah o unico nome que salva!!!

Postar um comentário

Deixe registrado sua opinião. Mas evite palavrões e ofensas, assim seu comentário não correrá o risco de ser moderado.

Tecnologia do Blogger.

Receba as postagens por e-mail

O mundo tem sede de Deus

free counters

Seguidores

Google+ Followers

  ©Rocha ferida - Todos os direitos reservados.

"Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha." Mateus 7:24
type='text/javascript'>